Sobre um tempo que já morreu

(sur un temps qui est mort).

Posts Tagged ‘prudente

#66 here, i’m allowed

leave a comment »

gosto de ver o azul escuro do céu borrando lentamente até clarear depois da chuva, no começo do domingo sólido de tão gelado. nessas noites, quando eu não sinto falta de nada, quando mais nada me preocupa, quando a confiança e a euforia e o bem-estar me tomam, quando uns minutos ao lado de alguém criando discussões inacabáveis, trocando  palavras gritadas ou um extenso silêncio a dois indicam tudo o que está suspenso e o que há de vir, fazem valer os 400km de ida e volta que rodo todos os meses, as noites anteriores sem dormir, a garganta estourada nos dias que seguem, os finais de semana apodrecendo no quarto. além disso, quando eu fico o tempo que durarem as dores no corpo sentido os flashs inacreditáveis aparecendo como tempestades mentais embriagadas, percebo que nenhuma cidade será maior do que a minha, com todos os seus elementos que culminam para que cada noite lá seja parte de uma história infinita, de um ciclo de insurgência irremediável em que as consequências acabam escapando do plano da licitude.

sob esse céu azul claro já manchado de branco, eu vejo o quanto amo essa cidade, mais do que as quatro estrelas brancas que decretaram a minha liberdade. é o único lugar onde eu encontro loucura e aconchego, ao invés de náusea e solidão. é nessas noites em que eu me sinto viva.

mas o resto de mim tem estado vazio, insistindo em me provocar com a lembrança da existência do mundo real que eu nego, clareando como o céu quando amanhece após uma noite regada de aventuras, sendo a luz no quarto que atrapalha o sono de manhã quando se acaba de chegar em casa, sendo o telefone que toca interrompendo um momento bom. parece que a intensidade de viver se apaga. parece que o trivial recomeça, e eu não sei mais o que fazer e a que atribuir sentido. eu chego a temer o encontro com essa vida, mas quero usar essa parte danificada que me resta, a parte que carrega o sonho corrompido e os momentos de indiferença para balancear meu lado desenfreado, para ter algo a defender, para ter fortes perdas na balança. o que não me mata, me fortalece. tudo me servirá como virtude. tudo me completará. tudo me salvará da desilusão imensa com o que me tornei. tudo me guiará ao meu momento próprio e único de glória.

Fuga #2

leave a comment »

Dessa vez a culpa não foi da insônia, foi da tormenta dos últimos meses, da queda de muitas coisas que realmente importavam.

Todo aquele sonho de sair da cidade foi apagado. Eu consegui, sabia? Mas parece que há partes de mim que insistem em não me acompanhar. Recuam diante da ideia de uma cidade borbulhante à espera, não se curvam aos pés da não tão pequena, mas de certa forma elétrica Londres.

Foi exatamente isso: esse sonho me atravessou como uma corrente elétrica. Durou anos apenas como uma vaga sensação de desconforto, depois, conforme se arrastou por meu corpo, foi tomando forma e urgência, até que eu encontrasse uma cidade com suficiente insanidade para me acolher. E após enlouquecer, adoecer, martelar, desistir, dar a vida, esquecer dos meus motivos para ir, quebrar a minha necessidade de me desfazer desse conforto infantil juntamente com minhas esperanças eu entendi que a cidade não era um problema a ser resolvido. Essa negligencia em tratar meu futuro me trouxe até aqui, até esse quarto semeado de despedida involuntária. Percebi que não faz sentido mudar, não da forma como pretendia, sair fugida e imperceptível num dia nublado, ignorando o peso do meu novo e alucinante caminho. Consegui compreender este peso a tempo, e partir se tornou uma espécie de problema. Mas eu não queria seguir o que o mar sempre havia me gritado? Uma impotência me agride, e eu me sinto estonteada nesse quarto inundado – agora por confusão – e não há um canto bélico para o qual correr e me safar do peso de não ter tudo inteiramente à disposição.

Agora sinto que a cidade que maltratei está farta de mim, e não há solução, senão tomar o rumo do sul dourado e incógnito.

É preciso partir, tão cedo quanto o asfalto me chamar. É preciso deixar que TUDO aconteça.

Passei uma vida querendo fugir, e agora me vejo sob um novo céu, novas quatro paredes.
Não acredito. Não sei mais aceitar a dúvida como futuro.

.

fev/2013